Coleções

O acervo é dividido por coleções: coleção de periódicos, de audiovisual, folhetos de cordel, coleção de obras raras, e a coleção Jean-Pierre Chabloz. As duas últimas por se tratarem de coleções especiais necessitam de um tratamento e acondicionamento diferenciado. O acervo é constituído principalmente por livros e periódicos, mas conta ainda com diapositivos (slides), folhetos de cordel, catálogos de exposições, CDs, DVDs, Fitas VHS.

Dentre a obras raras, destacamos os livros da editora Eskira, Aguilar e Espasa-Calpe e os catálogos de arte da UNESCO. A aquisição destas publicações é citada na correspondência trocada entre Lívio Xavier, técnico em educação ligado ao departamento de educação da UFC, e o então Reitor Antônio Martins Filho, em 1961. A coleção Jean-Pierre Chabloz é formada por livros e revistas da biblioteca particular do artista. Entre os assuntos principais, destacamos as publicações sobre arte, história, literatura, astrologia, numerologia, entre outros temas que refletem bem as aspirações e interesses do artista.

Jean-Pierre Chabloz foi um pintor, desenhista, músico, professor e crítico de arte, nascido em Lausanne, na Suíça. Em 1943, residiu em Fortaleza, onde trabalhou na publicidade da Campanha da Borracha, chefiando o Serviço de Desenho do Serviço Especial de Mobilização de trabalhadores para a Amazônia (SEMTA). Em 1944, formou a Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP), com Aldemir Martins, Antonio Bandeira, Mário Barata, Estrigas, Zenon Barreto, entre outros artistas locais. Nesse período, Chabloz descobre o pintor Chico da Silva, difundindo suas obras no Brasil e na Europa.

Chabloz permaneceu por dois anos nesse primeiro período em que esteve em Fortaleza, desempenhando atividades culturais e pedagógicas em prol das artes no Nordeste. Em 1960, voltou para Fortaleza, e promoveu a elaboração de mais de quarenta obras de Chico da Silva, que hoje compõem parte do acervo do Museu de Arte da UFC.  Em 1964, 1966 e 1967, participou em Fortaleza dos Salões Municipais de Abril. Em 1964, recebeu o título de Cidadão de Fortaleza, da Câmara Municipal.

Por volta de abril de 1970, mesmo mantendo fortes relações de amizade no Ceará, Chabloz deixou a cidade de Fortaleza para ir morar em Niterói, onde continuou suas atividades, tendo integrado a Orquestra da Câmara de Niterói. Faleceu em 1984, vítima de acidente cardiovascular, após seu último retorno à capital cearense. O acervo de obras de Jean-Pierre Chabloz, incluindo o acervo bibliográfico e documental, foram doados pela família do artista ao Museu de Arte da UFC.