2019.05 – Roberto Galvão, um artista que revela a beleza do semiárido nordestino através da arte

Você já ouviu falar do artista cearense Roberto Galvão? Conhece algumas de suas obras?
Roberto Galvão Lima nasceu em Fortaleza no dia 01 de maio de 1950.
É desenhista, pintor, escultor, gravador, crítico de arte, curador e pesquisador.
O convívio com sua avó materna, senhora muito habilidosa nas artes manuais, fez despertar nele o gosto pela arte desde sua infância. Aos 7 anos, Roberto já fazia seus próprios desenhos.
Em 1964, com 14 anos, participou de uma exposição de artes plásticas numa coletiva de alunos de sua escola.
Em 1967 passou a integrar o grupo de alunos dos cursos ofertados pelo Centro de Artes Visuais Casa de Cultura Raimundo Cela, onde conheceu diversos e importantes artistas e críticos de arte.
Suas obras têm como temática a paisagem do agreste nordestino e o espaço cearense como um todo. Uma de suas obras que reflete muito bem essa temática é a série Mato Branco, exibida em Fortaleza em 2013 e 2017 e na Bahia em 2016. São desenhos, aquarelas, pinturas e esculturas que retratam o semiárido nordestino em linhas, formas e contornos não convencionais. Os galhos e a vegetação rala da caatinga viram arte aos seus olhos.

Obras do artista Roberto Galvão. Fontes: Divulgação. 

Roberto Galvão realizou exposições em diversas cidades do Brasil. Sua arte também chegou à Alemanha, Argentina, Bulgária, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Polônia, Portugal e Uruguai.
Possui mais de dez livros lançados, dos quais se destacam “Chico da Silva e a Escola do Pirambu” (1985), “Uma Visão da Arte no Ceará” (1986) e “A Escola Invisível: Artes plásticas em Fortaleza 1928-1958” (2008).

 

 

Seus dois últimos livros serão lançados no encerramento da 17ª Semana Nacional de Museus do Mauc, que se realizará na manhã do próximo sábado, dia 18. Participe!!!
Roberto Galvão é bacharel em História e mestre em História Social pela Universidade Federal do Ceará e especialista em Arte-Educação pela Universidade Federal da Paraíba.

 

 

 

Por Carlizeth Campos, com a colaboração de Kathleen Silveira (seleção de imagens), ambas Assistentes Administrativas do Mauc.
16/05/2019